MINHA CONTA
Fechar
Para continuar, acesse sua conta ou faça um cadastro rápido.
E-mail ou Login
Senha
Esqueceu a senha?
Não consegue se autenticar?

Para comprar ou vender Fechar

Seja bem vindo ao Permuta Livre.

Instrumental

Encontre milhares de ofertas de Instrumental usados a venda no Permuta Livre. São milhares de anúncios publicados até 30/11/2020 e você pode comprar ou trocar diretamente com o vendedor. + continuar lendo

O que são CDs Rock Metal: Instrumental?

Fonte Wikipédia

A música instrumental já era difundida antes da anos 50 e foi importante para o desenvolvimento do rock 'n' roll, como o bluegrass, western swing e boogie woogie. Honky Tonk foi um R&B de 1956 de Bill Doggett e influente para o gênero.

 

O rock instrumental se fortaleceu mais precisamente a partir de 1958 na América com artistas que contribuíram com a evolução do baixo elétrico e da guitarra elétrica. Eles experimentaram músicas regionais e efeitos sonoros. Alguns dos varios artistas são; Link Wray, Duane Eddy, Santo & Johnny e The Fireballs. Outros grupos ganharam destaque em 1959 como The Ventures e o inglês The Shadows. O rock instrumental é uma das raízes do surf rock. O rock instrumental e surf rock (período de 1958 até 1964) foram importantes para a época, e também serviram de influencia para a Invasão Britânica.

 

Além de contribuir na evolução musical do rock 'n' roll, o rock instrumental permitiu experimentos como o desenvolvimento da distorção, reverbs e uso da díade, como exemplo o guitarrista Link Wray com a Rumble em 1958. Duane Eddy no mesmo ano também contribuiu gravando Movin'n'Groovin. E Dick Dale, que apesar de só gravar em 1961, ajuda na evolução da potência da guitarra e reverbs nesse mesmo período através de seu trabalho com Leo Fender. Outro grupo pioneiro do gênero na época foi The Champs.

 

Desenvolvimento e primeira metade dos anos de 1960[editar | editar código-fonte]

Estes artistas exploraram novos instrumentos e estimularam o experimentalismo. Um fator importante foi a influência de imigrantes mexicanos nos Estados Unidos na segunda metade dos anos 1950. Um bom exemplo foi Ritchie Valens com seu sucesso em 1958 e 1959.

 

Link Wray é um descendente de Shawnee, uma tribo de índios americanos. Grava Rumble, sendo uma pioneira no rock e na distorção da guitarra. Esta canção foi acusada de apologia à violência pelo seu nome e proibida em varias estações de rádio, mas seu sucesso foi grande. Link Wray furava as caixas de som no estúdio para poder deixar o som distorcido. Ele citava suas origens nos nomes de seus instrumentais como Comanche de 1959. Músicos como Muddy Waters, T-Bone Walker e Elmore James também foram pioneiros da guitarra elétrica desde os anos de 1940.

 

Santo & Johnny foi a dupla clássica do rock'n'roll formada pelos irmãos ítalo-americanos, Santo & Johnny Farina que estudaram a guitarra e guitarra havaiana, mais conhecida como steel guitar no Hawaii. Santo com sua steel guitar e Johnny com a guitarra elétrica lançaram um instrumental em 1958 chamada Sleep walk. A dupla foi um grande sucesso e influenciou praticamente muitos grupos de rock'n'roll de toda década de 1960.

 

Por volta de 1888, Jonah Kekuku, um havaiano de O'ahu, então com 14 anos e estudando em Honolulu, acha um cilindro de metal enferrujado no chão. Ele passa a usá-lo pra tocar seu violão acústico e assim nasceu a concepção que hoje reconhecemos como slide guitar, que é chamado por ele de steel guitar. O aço também se refere ao elemento usado para tocar o instrumento, o slide (deslizante).

 

Duane Eddy - Lança seu álbum de estreia em 1958, Have Twangy' Guitar Will Travel, com classicos como Moovin' N' Groovin. Foi votado pelo New Musical Express (tablóide britânico) como personalidade musical número 1 do mundo. Foi o primeiro guitarrista do rock 'n' roll à ter uma assinatura modelo de guitarra. Em 1960 a Guild Guitars introduziu a Duane Eddy Modelo DE 400 e a Deluxe DE 500. Influenciou muitos guitarristas.

 

Dick Dale lança suas músicas a partir de 1961 com Let's Go Tripin, Jungle, etc. Misirlou (1962) é uma das mais conhecidas gravações de surf rock.

 

The Fireballs foi outro grupo importante para o rock instrumental com clássicos no fim dos anos 1950 como I Don't Know e Fireball de 1958, Torquay e Bulldog em 1959 , além de EPs e álbuns em 1960 como Fireballs e Vaquero.

 

The Shadows antes era a banda chamada Drifters' em 1958 que acompanhava Cliff Richard, um artista e pioneiro inglês. Como o grupo americano Drifters processou os inglêses, tiveram que mudar para Shadows, agora só como banda instrumental em 1959. O guitarrista Hank Marvin é um dos principais da banda, e o The Shadows é um dos mais influentes grupos no mundo. O grupo na época de Cliff Richard foi responsável por uma das primeiras gravações de rock'n'roll britânicas, segundo músicos como J. Lennon. O grupo lança a Jet Black em 1959.

 

O instrumental Apache de Shadows de 1960 foi escrito por Jerry Lordan, um compositor de música instrumental de nome na Inglaterra, e foi originalmente gravada no inicio de 1960 por Bert Weedon', um guitarrista bastante conhecido no país. Jerry não gostou da versão e fêz com que não fosse liberada e realizada, deixando para os mais jovens The Shadows. Apache foi inspirada no filme de 1954 chamado Apache.

 

Os ingleses também influenciaram grupos da Jovem Guarda como Os Incríveis, Jet Blacks, e outros grupos de rock instrumental brasileiro, sendo o principal deles, The Jordans.

 

The Ventures foi um dos maiores representantes do surf rock nos anos 60, sendo o maior rival dos ingleses. Influenciou com seus clássicos como Walk Don't Run e Perfídia em 1960. George Harrison diz que Beatles preferiu Ventures como base de influencia nos anos 1960.

 

Como resultado desta febre, se destacaram bandas como The Surfaris, The Atlantics, The Chantays e muitos outros entre 1961,1962 e 1963. Bo Diddley lançou discos do gênero, incluindo bandas de surf rock vocal como Beach Boys e a dupla Jan & Dean.

 

Depois da segunda metade dos anos 60 até a atualidade, surgiram vertentes musicais do rock'n'roll e rhythm & blues que deram sequencia a propostas virtuoses e instrumentais.

 

 


Como funciona o Instrumental

Fonte:ripandohistoriarock.blogspot.com.br/

As melhores músicas instrumentais do rock

 

Este post é mais um da série Top 10, desta vez dissecando as melhores músicas instrumentais do rock. Para não deixar muita gente de fora, selecionei vinte números instrumentais de diversos artistas, do rock ao heavy metal, incluindo guitarristas virtuosos e também bandas clássicas e afins. Os parâmetros utilizados para a classificação não serão exclusivamente a técnica dos músicos, mas também uma melodia marcante, variação dentro de uma mesma música, a importância da canção na carreira do artista ou banda, tudo isso será levado em conta. E será uma lista baseada em meu gosto, como sempre. E claro que alguma canção importante provavelmente ficará de fora...

 

 

(Atualização em 30/04/2013)

21 - Pink Floyd - "One Of These Days" - Meu grande amigo e blogueiro Ricardo Igreja me lembrou desta fantástica canção dos mestres do rock progressivo, que apesar de ter uma frasezinha cantada, vou considerar como instrumental. E que instrumental!! A introdução de baixo de Roger Waters, a levada de bateria por Nick Mason, a guitarra de David Gilmour, uma perfeição!! Tá aí, injustiça eu ter esquecido esta grande música, mas tá resolvido, incluída na lista!!

 

 

 

20 - Gary Moore - "What Would You Rather Bee Or A Wasp" - abrimos a lista com essa belíssima música presente no segundo álbum solo deste grande guitarrista irlandês, "Back On The Streets". Este álbum teve participações dos membros do Thin Lizzy Phil Lynott (canta em quatro faixas) e Brian Downey. Esta faixa me lembra um pouco os trabalhos de Jeff Beck nos anos 70; é possível que Gary tenha sido influenciado. Abrindo nossa lista em grande estilo com o grandioso Gary Moore. We miss you, Gary!!

 

 

19 - Rainbow - "Difficult To Cure" - esta canção é um arranjo de trechos da nona sinfonia de Beethoven, feito por Ritchie Blackmore e que acabou nomeando o quinto álbum de estúdio do Rainbow, de 1981, primeiro com o vocalista Joe Lynn Turner. A versão de estúdio é boa, mas as versões ao vivo são arrasadoras, Blackmore se solta completamente - se você procurar, achará alguns bootlegs de shows ao vivo do Deep Purple, logo quando se reuniram, em 1984, em que eles levam trechos desta canção. De uma forma ou de outra, é uma faixa memorável!!

 

 

18 - Deep Purple - "Wring That Neck" - mais uma faixa contando com o talento de Ritchie Blackmore, esta canção ainda é da primeira formação da banda, com Nick Simper no baixo e Rod Evans nos vocais. Uma das primeiras a evocar os famosos duelos entre Ritchie Blackmore e Jon Lord, que seriam tão comuns nos shows da banda. A força da canção fez ela ser a única gravada com esta primeira formação a continuar presente nos shows da banda, quando a Mk2 excursionava (mais tarde, "Hush" foi regravada pela formação Mk2 e também tem sido tocada frequentemente nas apresentações). 

 

17 - Focus - "Hocus Pocus" - OK, esta canção não é totalmente instrumental. Ou é? Afinal, os barulhos vocais feitos por Thijs Van Leer (tecladista e flautista da banda) podem ser considerados parte do instrumental (não há nenhum verso realmente cantado na canção). Assumindo esta premissa, coloco esta canção dentre uma das vinte melhores, aqui na posição 17. Originalmente do álbum "Focus II", de 1971, ela é o momento mais importante dos shows da banda até hoje. Desde o grande riff de abertura, que vai permeando todos os seis minutos de instrumental, até o pseudo-refrão com o "canto" do vocalista, num crescente que é empolgante. Um clássico do rock, aqui na nossa lista!!

 

 

16 - Liquid Tension Experiment - "Paradigm Shift" - projeto paralelo de três integrantes do Dream Theater (bom, agora só dois...), que se juntaram ao baixista Tony Levin (já tocou com o King Crimson e com Peter Gabriel) e gravaram dois ótimos álbuns de música instrumental de primeira. E a canção escolhida por mim abre o primeiro álbum da banda - um petardo de quase nove minutos demonstrando todo o virtuosismo de seus integrantes. O riffaço de abertura, cortesia de John Petrucci, já justifica a seleção! Daqui a pouco, a banda principal também vai aparecer na lista, é só continuar lendo...

 

 

15 - Faith No More - "Woodpecker From Mars" - aquele álbum maravilhoso que o Faith No More lançou em 1989, "The Real Thing", primeiro com Mike Patton, era um desbunde total. Heavy metal misturado com funk, trechos de progressivo, e ele encerrava com esta incrível faixa instrumental, uma canção onde o thrash metal encontrou a música clássica e foram felizes para sempre! Pena que depois a banda se perdeu um pouco, principalmente sem o guitarrista Jim Martin. Valeu pela qualidade deste grande álbum!!

 

 

14 - Michael Schenker Group - "Into The Arena" - após fazer parte da melhor parte da história do UFO, estando presente nos maiores clássicos da banda, Michael Schenker acabou se desentendendo com os outros integrantes e saiu. Partiu para a criação de seu próprio grupo - o MSG (Michael Schenker Group). Logo no primeiro álbum lançado, auto-entitulado e lançado em 1980 (e produzido por Roger Glover), uma coleção de grandes canções, incluindo esta canção instrumental que adoro. Ainda na história do MSG, eu poderia ter escolhido "Captain Nemo", do quarto disco (esta é a música utilizada por Eddie Trunk em seus programs de rádio), mas, particularmente, prefiro esta. Salve Michael Schenker, grande guitarrista alemão!!

 

 

13 - Dream Theater - "Erotomania" - esta faixa está presente no terceiro disco da banda, e ela faz parte de uma suíte chamada "A Mind Beside Itself"; esta suíte inclui, além deste incrível petardo instrumental, as canções "Voices" e "The Silent Man". Muitos não gostam tanto deste terceiro disco, mas eu o considero um dos melhores do Dream Theater, e esta faixa instrumental contribuiu muito para meu carinho com o álbum. Aqui, a banda ainda contava com Kevin Moore, nos teclados - ele sairia da banda logo depois do lançamento. Uma faixa equilibrada, cheia de nuances, quebras e que transborda talento - excelente!!

 

 

12 - Santana - "Soul Sacrifice" - o que torna esta canção ainda mais especial do que ela já é, é o fato de ter sido incluída no documentário do festival de Woodstock, onde Carlos Santana e sua banda esbanjaram categoria e técnica na performance - foi um salto na carreira do guitarrista e de sua banda, que já tinham lançado seu primeiro álbum quando tocaram no festival. Prestem atenção na percussão interagindo com a bateria (Michael Shrieve é o nome da fera nas baquetas) e a guitarra de Santana dominando com lindas frases, intercaladas com pequenos solos do percussionista Michael Carabello. Foi o necessário para que as portas se abrissem para o sucesso, encontrado no álbum seguinte, "Abraxas", uma obra-prima do rock. Salve Carlos Santana, mestre das seis cordas!!

 

 

11 - Allman Brothers Band - "Jessica" - quem leu o post sobre o ano de 1973 (leia este post aqui) viu a rápida resenha sobre o álbum "Brothers And Sisters", onde cito que um dos destaques é esta linda faixa instrumental, composta por Dickey Betts, guitarrista fundador da banda junto com os irmãos Allman, que nomeou a canção em homenagem a sua filha Jessica Betts. Os lindos solos de guitarra, intercalados pelo piano de Chuck Leavell são fantásticos. Ao vivo, então, a coisa ganha ares épicos, merecidamente. Maravilhosos anos 70, nos fornecendo mais um incrível música instrumental para nossa lista - 11ª posição para este hino do southern rock!!

 

 

10 - Black Sabbath - "Supertzar" - entramos no Top 10 com uma música grandiosa, que costumava abrir os shows do Black Sabbath nos anos 80 - pelo menos na turnê do álbum "Born Again" foi usada. Uma instrumental cheia de clima, Tony Iommi nos deliciando com riffs e frases na sua guitarra enquanto um canto lírico faz o acompanhamento. Parte integrante do disco "Sabotage", na minha opinião esta canção demonstra a maturidade musical que o Sabbath chegou com este seu sexto álbum. Tomara que nesta turnê que vai passar pelo Brasil eles voltem a usar esta canção como tema de abertura - dá um tremendo clima para o início do show!!

 

 

9 - Emerson, Lake & Palmer - "Fanfare For The Common Man" - adaptação feita por Keith Emerson de uma tradicional música dos anos 40, ela faz parte do complexo álbum "Works", de 1977 - um álbum onde cada integrante da banda ganhou liberdade para gravar um lado do vinil, com o quarto lado (foi um vinil duplo) trazendo gravações da banda toda, e uma das canções foi esta maravilha. Segundo entrevistas dos membros, a versão acabou surgindo e foi gravada logo na primeira tomada. A abertura clássica com o teclado de Emerson, o baixo galopante de Greg Lake, Carl Palmer entra a seguir, tremendo musicão!! O caldo tá engrossando e as canções ficando cada vez mais clássicas...

 

 

8 - Metallica - "Orion" - o álbum "Master Of Puppets" é um marco do thrash e heavy metal, isso todo mundo sabe. Esta canção instrumental (os álbuns antigos do Metallica sempre continham uma instrumental) demonstra a evolução musical da banda, e comprova o talento deles, em especial a genialidade do baixista Cliff Burton, que conduzia os rebeldes por águas mais serenas, trazendo um tom mais clássico ao speed metal que a banda fazia. Os solos de cada um dos músicos, em especial do próprio Burton, aumentam ainda mais a qualidade da música. Que a banda se inspire nesses tempos gloriosos quando entrar em estúdio novamente - os fãs estão loucos por isso!!

 

 

7 - Jimi Hendrix Experience - "Third Stone From The Sun" - esta canção é uma espécie de homenagem de Jimi Hendrix ao planeta Terra, a terceira "pedra" no sistema solar. Com um estilo totalmente inovador (para a época; hoje em dia todo mundo copia...) misturando rock com jazz (fusion), a música mostra o quão a frente de seu tempo Hendrix estava. A canção começa suave, e segue em um crescente, com lindos solos do mestre mor das seis cordas. OK, a canção traz alguns pedaços falados pelo próprio Jimi, mas ainda assim considero-a instrumental. Além da guitarra de Jimi, destaque para a linha de baixo de Noel Redding, excelente. Sétimo lugar para o melhor guitarrista de todos os tempos!!

(Atualização em 30/04/2016: estou atualizando o post com vídeos acessíveis, e acabei constatando que está extremamente difícil encontrar esta canção em particular. Esta aí embaixo foi uma das poucas versões que pude encontrar. A original do Jimi Hendrix Experience, foi removida do YouTube...)

 

 

6 - Rush - "Yyz" - fiquei um tempão para decidir se colocava esta música ou "La Villa Strangiato" - acabei optando pelo meu gosto pessoal, eu simplesmente adoro "Yyz", seja a versão de estúdio, seja a versão mais extensa com direito a solo de bateria do álbum ao vivo "Exit...Stage Left", ou a versão com o público carioca cantando o riff no DVD do show no Rio de Janeiro, em 2002. Foi indicada ao Grammy em 1982 (mas perdeu para o The Police...) e é presença quase certa em um show do Rush. Aos que preferem outra instrumental da banda, não me crucifiquem, a escolha realmente é difícil! Uma coisa é certa: em termos de instrumental, o Rush é presença fundamental na lista!!

 

 

5 - Led Zeppelin - "Moby Dick" - dois motivos principais colocam esta fantástica instrumental aqui nesta lista: o excelente riff de Jimmy Page, que conduz a canção; e o maravilhoso solo de bateria do grande John Bonham. Era sua marca registrada, seu momento nos shows da banda - um momento mágico, diga-se de passagem - confira o filme "The Song Remains The Same" e me diga se não tenho razão. Top 5 para o Led Zeppelin e sua grande instrumental!! Viva John Bonham!!!

 

 

4 - Van Halen - "Eruption" - durante a lista toda, tivemos músicas instrumentais em que baixistas, tecladistas e bateristas se destacaram. Porém, nas quatro principais posições, só vai dar guitarrista mesmo. No quarto lugar, uma explosão de talento e adrenalina, velocidade supersônica, tudo isso no primeiro álbum da banda que leva seu nome - Eddie Van Halen, um dos maiores guitarristas do rock, que revolucionou o mundo da música com este álbum de estreia em 1978. Esta música instrumental sintetiza a fúria e a qualidade do álbum todo, em menos de dois minutos. Até hoje Eddie precisa tocar este número ao vivo - se tornou uma referência do rock. Quarto lugar para o talento dos Van Halen!!

 

 

3 - Jeff Beck - "Cause We've Ended As Lovers" - nosso medalha de bronze já tinha tido muito sucesso junto com sua antiga banda, Yardbirds, e também com o seu Jeff Beck Group. Acontece que Jeff é um gênio musical que precisava ainda se soltar como músico e mostrar ainda mais talento. Lançou um incrível álbum instrumental em 1975, contendo composições suas e de outros mestres, como os Beatles e Stevie Wonder. "Blow By Blow" conseguiu alcançar a quarta posição na parada americana, e esta belíssima canção, uma composição de Wonder gravada por sua ex-esposa Syreeta Wright (já falecida) em um álbum obscuro, aqui aparece totalmente transformada, com arranjos de guitarra sensacionais de Jeff Beck. Muita gente não reconhece todo o talento de Jeff como guitarrista, e a beleza desta música ajuda a provar a qualidade dos registros deste inglês. Medalha de bronze para o grande Jeff Beck!! 

 

 

2 - Steve Vai - "For The Love Of God" - foi duro decidir entre o primeiro e o segundo lugar - acabei apelando para meu gosto pessoal tender mais para Joe Satriani... Porém, esta fantástica canção instrumental tem todos os atributos para ser a melhor. A história de sua gravação, então, é incrível: Steve Vai a gravou no quarto dia de um jejum total de dez dias!! Nem preciso falar do talento absurdo que Vai tem, e parece que ele resolveu botar tudo pra fora nesta canção, de uma vez só! Seis minutos brilhantes eternizados na história do rock. Medalha de prata para o grande Steve Vai!!

 

 

1 - Joe Satriani - "Always With Me, Always With You" - a melhor canção instrumental para mim é esta belezura presente no álbum "Surfing With The Alien", que colocou Joe Satriani no mapa do sucesso, um álbum que ajudou a recolocar o rock instrumental nas paradas (levou um ano para, no boca a boca, entrar na parada americana e chegar à 29ª posição!). Muita gente no Brasil que nunca ouviu um disco de Satriani conhece esta linda balada, graças a sua utilização como jingle no comercial de cigarro Free - quantos não devem ter se iniciado no vício do fumo graças a esta música? Não importa, ela é linda demais e para mim ganha medalha de ouro, melhor música instrumental do rock!!

Comentários sobre Instrumental

Vídeo sobre Instrumental

Twitter
Instrumental
https://www.youtube.com/embed/WxWnuw6Hqwc
Instrumental