MINHA CONTA
Fechar
Para continuar, acesse sua conta ou faça um cadastro rápido.
E-mail ou Login
Senha
Esqueceu a senha?
Não consegue se autenticar?

Para comprar ou vender Fechar

Seja bem vindo ao Permuta Livre.

Indústria Gráfica e Impressão

Encontre milhares de ofertas de Indústria Gráfica e Impressão usados a venda no Permuta Livre. São milhares de anúncios publicados até 19/06/2019 e você pode comprar ou trocar diretamente com o vendedor. + continuar lendo

O que são Indústria e Comércio: Indústria Gráfica e Impressão?

Um dos setores mais importantes para a economia de um país diz respeito à atividade industrial, seguidos do setor de serviços e agronegócios. Este setor da economia é importante tanto em países desenvolvidos ou em desenvolvimento, especialmente os emergentes, mas não é mensurar o seu crescimento, visto que nos países industrializados mais avançados a maior contribuição para o PIB vem do setor de serviços, não do industrial. Na medida que os serviços contribuem em média com 70% do PIB, a indústria com mais ou menos 30% e o setor agrícola com 1% ou 2%.

De acordo com os livros de história, a indústria surgiu com a transição do capitalismo comercial para o industrial, no início do século XVIII, por meio de insumos como vapor, carvão e ferro. Mas foi a partir da Segunda Revolução Industrial, em 1860, que o capitalismo industrial se tornou rentável, com o aço, a energia elétrica e produtos químicos. A chamada Terceira Revolução Industrial surgiu em 1970 com a evolução da informática.

A indústria gráfica acompanhou esta evolução e passou a responder a este avanço tecnológico. A partir daí, surgiram as on-line que pretendem apresentar vantagens aos clientes e desenvolveram um processo de compra que permite escolher todas as características dos produtos como papel, o tamanho, acabamento, entre outos. Para isso, o utilizador só precisa enviar um ficheiro com o design, escolher a morada para entregar a encomenda e aguardar a sua recepção. Este modelo se deu como uma adaptação à realidade de um mundo cada vez mais tecnológico e digital e onde os produtos impressos continuam a ter elevada importância.

 

Os processos gráficos englobam uma variedade de firmas, desde pequenos estabelecimentos até empresas com estrutura e processos produtivos tipicamente industriais. Estas empresa atuam em diversos segmentos e formas de materiais e com as mais distintas finalidades.

 

Segundo pesquisas, uma gráfica pode oferecer serviços de pós impressão como acabamento, dobraduras, encadernação, colagem e efeitos. O processo consiste em sistemas de impressão como off-set, digital, rotogravura, flexografia, entre outros. Também está associada à impressão de produtos de marketing coo cartões de visita, flyers, cartazes, entre tantos outros. Apesar de contarem com clientes particulares, também possui um elevado volume de negócios proveniente de vendas efetuadas a outras empresas que utilizam os impressos para divulgar a sua marca.



Lista dos processos da Indústria Gráfica e Impressão

  • Acabamento

  • Flexografia

  • Impressão Digital

  • Impressão Off-set

  • Litografia

  • Parque Gráfico

  • Pré-impressão

  • Rotogravura

  • Serigrafia

  • Parque gráfico



Como funciona o Indústria Gráfica e Impressão

 

Com clientes cada vez mais exigentes, as empresas de impressão precisam se adaptar para entregar um trabalho que requer agilidade e flexibilidade nos ciclos de produção, com tiragens menores e um serviço permanente por todo o tempo. Esse processo assou a se tornar automatizado e, neste período, os chamados birôs de serviços passaram a ser necessários para pequenas empresas especializadas em fotolitagem e pré-impressão. Segundo dados coletados no Wikipédia, esta técnica se chama “Computer-to-Film”, ou direto do filme, na língua portuguesa.

 

Este processo, que é realizado em acetato, os processos de manipulação dos arquivos, páginas e as informações digitais vindas dos clientes o tornam o filme um meio adequado para conseguir que qualquer modelo de impressora se encaixe a uma enorme variedade de chapas e máquinas. O fotolito, como é chamado este processo de gravação em acetato, fornece as informações fornecidas pelo cliente, geralmente através de manipulação de arquivos e imposição das páginas, por meio de uma máquina digital com tecnologia à laser, o imagesetter, que gera os fotolitos de páginas.

 

O processo permite que a manipulação fique com o impressor e o fotolito possa ser substituído. A manipulação manual permite que o filme possa ser impresso de forma mais econômica, um passo obrigatório para pequenas empresas.

 

Quais os Principais Benefícios do Fotolito:

 

  • Aberto ao uso do formato PS ou PDF

  • A qualidade e possibilidade de repetição são fatores garantidos

  • Baixo custo em caso de erro

  • Insumos conhecidos, além de químicos e filmes com processamento automatizado

  • Pode incorporar o gerenciamento de cor para uma reprodução mais fiel

  • Maior velocidade na produção de filmes devido ao aprimoramento dos fluxos de trabalho, bem como à utilização dos equipamentos

  • Existe a possibilidade de produzir filmes em poliéster

  • É compatível com sistemas digitais como provas de imposição e de cor



Para que serve o Indústria e Comércio: Indústria Gráfica e Impressão

 

Segundo tese do especialista Benedito Possamal, a impressão digital não muda apenas a forma como a tinta é transferida para o suporte, vai muito além pois incorpora novos conceitos como os de uso comum da linguagem e, principalmente o do marketing, com uma linguagem nova. A evolução se deu no âmbito das novas estratégias de negócios, mas para alcançar o sucesso é necessário estratégias considerando que o processo tradicional ainda tem o seu lugar.

 

Atualmente, o serviço gráfico não se trata apenas em vender uma impressão, mas auxiliar o cliente a encontrar a solução mais adequada e isso requer muito mais que uma simples solução de compra. Neste caso, o sucesso de um dependerá do sucesso do outro.

 

Muito mais que equipamentos, a indústria gráfica digital e de impressão vai exigir cada vez bons profissionais, com formação interdisciplinar, novas estratégias de negócios e se manter sempre atualizado, tanto em softwares como em sistemas de telecomunicações.

 

As gráficas digitais, como explica Possamal, deverão se multiplicar em números e se manter em pequenas estruturas, mas levará algum tempo para que os departamentos de marketing passem a usar novos conceitos, mas ao despertar, provocarão uma grande transformação no meio publicitário.

 

De acordo com a Abrigraf (Associação Brasileiras das Indústrias Gráficas), no período de 2006 a 2008, o volume de emprego formal no setor avançou 7,4%. No entanto, a rotatividade de pessoal é bastante alta e dentro de ⅔ das micro e pequenas empresas operam e um único turno de trabalho. As empresas empregam diretamente 276 mil profissionais registrados.

 

A tendência mostra um futuro no qual estas empresas precisarão se equipar da melhor capacitação gerencial, bem como soluções tecnológicas flexíveis e completas que se aproximem cada vez mais dos clientes com produtos e serviços inovadores. Ou seja, prover as oportunidades para satisfazer os clientes de seus clientes, além de agregar qualidade e eficiência ao negócio.

 

Evolução da Indústria Gráfica e Impressão no Brasil

Segundo a Revista Pro News, este é o quadro de evolução da Insústria Gráfica no Brasil.

 

  • 1808 - Por decreto régio, foi oficializada a implantação da tipografia no País

  • 1922 - A gráfica carioca Companhia Lithographica Ferreira Pinto adquire a primeira máquina de off-set do Brasil

  • 1923 - O off-set chega a São Paulo pela Graphica Editora Monteiro Lobato

  • 1926 - A Editora Pimenta de Mello & Cia. Imprime “Cinearte”, a primeira revista brasileira em Off-set

  • 1928 - O jornal “O Estado de São Paulo” lança, em 17 de maio, o peimeiro suplemento impresso em rotogravura.

  • 1931 - A Associação dos Industriais e Comerciantes Gráficos de São Paulo transforma-se no Sindicato dos Industriais e Comerciantes Gráficos de São Paulo.

  • 1940 - O presidente Getúlio Vargas edita o decreto nº2.130, que eliminou as oficinas gráficas de todos os órgãos públicos, incorporando-as à imprensa Nacional.

  • 1942 - Criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai)

  • 1944 - O Sindigraf-SP é reconhecido oficialmente por lei.

  • 1945 - É instalada a Escola de Artes Gráficas Senais Felício Lanzara.

  • 1949 - O Sindigraf-SP lança o primeiro número do Boletim da Indústria Gráfica.

  • 1950 - A Companhia Litográfica Ipiranga instala um moderno equipamento para imprimir no Brasil o primeiro número da revista Seleções.

  • 1958 - Juntamente com a posse da diretoria eleita, tendo Theobaldo de Nigris como presidente, foi inaugurada oficialmente, em 24 de junho, a nova sede do Sindigraf-SP.

  • 1959 - É fundada a Associação Brasileira de Técnicos Gráficos que, mais tarde, mudaria a razão social para a Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica (ABTG).

  • 1962 - A Assembléia Geral aceita a proposta do Sindigraf-SP de aumentar de três para sete os membros da direção da entidade. A proposta também é aceita pelo Ministério do Trabalho.

  • 1965 - Realização do I Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica, em Águas de Lindóia (SP), e constituição da Abigraf.

  • 1966- II Congresso Nacional da Indústria Gráfica, realizado na Guanabara (RJ), realizado na Guanabara (RJ). Foram registrados a presença das delegações do México, Uruguai e Argentina, totalizando 500 participantes.

  • 1967 - Realização do I Salão das Artes Gráficas, em São Paulo (SP).

  • 1968- É realizada a 1ª Assembléia da Colantingraf, em Caracas, Venezuela. É fundada a Regional Bahia-Sergipe, com sede em Salvador.

  • 1969 - Construção e Instalação da Escola Técnica Nacional de Artes Gráficas, criada pelo MEC em convênio com o Senai. Inaugurada a Regional do Abigraf, em Pernambuco.

  • Instalação da Regional Abigraf no Ceará.

  • 1972 - Fundada a Regional Abrigraf de Goiás.

  • 1973 - Realizado, no Rio de Janeiro, o IV Congresso Latino-Americano da Indústria Gráfica, que teve a participação de mais de 300 empresários de vários países.

  • 1975 - A Abigraf comemora dez anos de fundação. Neste ano, são lançadas a Revista Abigraf e a Fiepag.

  • 1980 - Surgem, denro da Abigraf, os Grupos Empresariais, que fornecem informações sobre segmentos específicos do setor, além do primeiro consórcio de exportação. O setor enfrenta o problema da bi-tributação com ICM e ISS. É iniciada uma série de ações para solucionar o problema.

  • 1982 - Os dez anos de luta da Abigraf contra a estatização chega ao fim. O presidente João Figueiredo proíbe a criação de unidades orgânicas de artes gráficas na administração federal direta e indireta, bem como nas fundações instituídas ou mantidas pela União.

  • 1984 - O setor gráfico entra na era da informática e continua a luta contra a estatização.

  • 1985 - A Abigraf comemora seus vinte anos de fundação, enquanto a Revista Abrigraf celebra sua centésima edição, trazendo um balanço histórico.

  • 1986 - Onze empresas brasileiras participam da Drupa, em Düsseldorf, na Alemanha. Cerca de 800 brasileiros visitam a feira, considerando o evento mais importante do mundo para o ramo gráfico.

  • 1987 - O empresariado gráfico privado propõe à Assembléia Nacional Constituinte a desestatização da indústria gráfica brasileira. A Abigraf promove a 1ª Feira Nacional de Produtos Escolares, a Escolar 87. Cerca de uma centena de representantes de empresas brasileiras visitaram a Mostra Internacional das Indústrias Gráficas, Editoras, Indústrias de Papéis e Transformadoras de Papéis (GEC’87), em Milão, na Itália, na Itália.

  • 1989 - O Rio de Janeiro sedia o IV Congresso Mundial da Indústria Gráfica, o World Print Congress (WPC), com a participação de 33 países, tornando-se o maior da história.

  • 1990 - Abigraf comemora seus 25 anos de existência. A Bahia sedia o V Congresso da Indústria Gráfica.

  • 1991 - A 12ª Fiepag (Feira Interncional de Embalagem, Papel e Artes Gráficas), em São Paulo, bate o recorde do número de expositores: 500. É criado o Prêmio de Excelência Gráfica, promovido pela Abigraf e pela ABTG para estimular a qualidade

  • 1992 - O Colantingraf comemora seus 25 anos, durante o V Encontro de Empresários Gráficos do Mercosul e do Pacto Andino, realizado em Assunção, no Paraguai.

  • 1993 - A Abigraf encomenda à ABTG o estudo e a elaboração de normas setoriais que serão emitidas no âmbito da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

  • 1995 - O Prêmio de Excelência Gráfica recebe o nome de Fernando Pini.

  • 1996 - A Abigraf lança o Anuário Brasileiro da Indústria Gráfica.

  • 1998 - Criação do Curso Superior de Tecnologia Gráfica. A Revista Abigraf recebe o prêmio Benny, durante a PIA (Printing Industries of America).

  • 1999 - O Brasil recebe 40 prêmios no concurso de qualidade gráfica da PIA, enquanto a Abigraf marca presença em eventos como Bienal do Livro do Rio de Janeiro e Salão Internacional do Livro de São Paulo.

  • 2000 - A Abigraf completa 35 anos de existência. É realizada a Drupa 2000, com a presença de mais de quatro mil profissionais brasileiros.

  • 2002 - Pela primeira vez são criadas ações de marketing como peças publicitárias específicas para cada realização do Sistema.

  • 2003 - Durante a realização do Congresso Brasileiro da Indústria Gráfica (Congraf) são aprovados os novos estatutos do Sistema Abigraf.

  • 2004 - Depois de crescer apenas 2,58% em 2003, a indústria gráfica reage e encerra 2004 com 10% de expansão, atingindo faturamento global acima de US$ 5 bilhões, contra US$ 4,5 bilhões, contra US$ 4,5 bilhões no ano anterior.

  • 2005 - A Abigraf Nacional completou 40 anos e, para comemorar a data, fez uma festa para 450 convidados, que teve como ponto alto o lançamento do livro “Abigraf 40 anos”.

  • 2006 - A entidade inaugurou mais uma seccional da Abigraf, dessa vez no Rio Grande do Norte.

  • 2008 - A indústria gráfica comemora 200 anos de luta, conquista e muito desenvolvimento.



Quais os Benefícios da Indústria Gráfica e de Impressão

 

Tendo em vista pesquisas que apontaram um potencial crescimento para o setor gráfico, vale lembrar que um dentro muitos benefícios diz respeito ao mercado de trabalho. Na medida que as tecnologias em equipamentos, ferramentas e design evoluem a cada ano, a indústria gráfica não só gera milhares de empregos como viabiliza o crescimento profissional, pois é imprescindível se manter atualizado.

 

Sem contar que abrange micro e pequenos empresários, que podem montar seu próprio negócio com pequenos investimentos em equipamentos de impressão de pequeno e médio porte. E com o Permuta Livre, você que quer tornar dono do seu próprio negócio pode encontrar equipamentos, computadores, máquinas de impressão pelo menor preço, sem custos adicionais e direto com o vendedor. Aqui, você também pode realizar trocas e anunciar os seus produtos com segurança e sem riscos.  Então fique à vontade para navegar e encontrar o que deseja.



Comentários sobre Indústria Gráfica e Impressão

Vídeo sobre Indústria Gráfica e Impressão

Twitter
Indústria Gráfica e Impressão
https://www.youtube.com/embed/ShLzmHA7rrU
Indústria Gráfica e Impressão