MINHA CONTA
Fechar
Para continuar, acesse sua conta ou faça um cadastro rápido.
E-mail ou Login
Senha
Esqueceu a senha?
Não consegue se autenticar?

Para comprar ou vender Fechar

Seja bem vindo ao Permuta Livre.

Rodos

Encontre milhares de ofertas de Rodos usados a venda no Permuta Livre. São milhares de anúncios publicados até 25/06/2019 e você pode comprar ou trocar diretamente com o vendedor. + continuar lendo

O que são Rodos?

Um rodo é uma ferramenta de limpeza composta de uma tira de borracha macia encaixada num gabarito de madeira,metal ou plástico usada para remover ou controlar o fluxo de um líquido numa superfície lisa. O rodo é usado sobretudo na limpeza e em tarefas de impressão (como o silk screen), sendo dotado de um cabo curto ou também de um cabo longo para a limpeza de pavimentos internos ou externos.

O rodo de cabo longo é bastante comum em tarefas de limpeza doméstica no Brasil, todavia é um item raro em toda a Europa, onde o uso da mopa ou esfregona (cabo longo dotado de uma série de tiras de pano na extremidade) é difundido. Acredita-se que este facto se deva ao tipo de pavimento mais difundido nas respectivas regiões: o pavimento mais utilizado em países tropicais (BrasilAngolaMoçambique por exemplo), à base de cerâmica ou pedra, suporta melhor água que o piso de madeira utilizado em climas temperados.

Os rodos mais populares no Brasil, de baixo custo e muito comuns em supermercados, são feitos com o mesmo cabo de uma vassoura popular, uma madeira roliça de baixa qualidade revestida com uma fina capa de plástico, também de baixa qualidade que, com o tempo e uso, resseca e descasca facilmente. A ponta oposta à borracha geralmente possui um plástico duro com um furo para que o objeto possa ser pendurado em um cabide ou guardador de rodos e vassouras. A madeira desse tipo de rodo, quando exposta, geralmente produz farpas machucando o usuário. Geralmente, pelo baixo custo, quando a capa de plástico se rompe, o rodo é trocado.

LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso de pisos é utilizado o mesmo procedimento com mops ou pano e rodo. Esse procedimento é indicado para a limpeza de paredes, divisórias, mobiliários e de equipamentos de grande porte. Panos e mops utilizados na limpeza devem ser lavados e guardados secos por medidas de higiene e conservação. É importante ressaltar que a limpeza úmida é considerada a mais adequada e higiênica, mas inadequada para a remoção da sujeira persistente. LIMPEZA MANUAL MOLHADA - O procedimento consiste em espalhar uma solução detergente no piso e esfregar com escova ou esfregão, empurrar com rodo a solução suja para o ralo, enxaguar várias vezes com água limpa em sucessivas operações de empurrar com o rodo ou mop para o ralo. LIMPEZA SECA - Consiste-se na retirada de sujidade, pó ou poeira, mediante a utilização de vassoura e/ou aspirador. A limpeza com vassouras é recomendável em áreas descobertas, como estacionamentos e pátios. Já nas áreas cobertas, se for necessário a limpeza seca, esta deve ser feita com aspirador. LIMPEZA CONCORRENTE - É o processo de limpeza diária de todas as áreas objetivando a manutenção do asseio, o abastecimento e a reposição dos materiais de consumo diário (sabonete líquido, papel higiênico, papel toalha), a coleta de resíduos de acordo com a sua classificação, higienização molhada dos banheiros, limpeza de pisos, superfícies horizontais e equipamentos mobiliários, proporcionando ambientes limpos e agradáveis. LIMPEZA TERMINAL - É o procedimento de limpeza e desinfecção de todas as áreas que eventualmente sejam classificadas como críticas, objetivando não apenas a redução da sujidade mas também a redução da população microbiana, reduzindo a possibilidade de contaminação ambiental. É realizada nas áreas críticas segundo cronograma mensal, além da obrigatoriedade da realização ao final de cada procedimento envolvendo pacientes de risco. ÁREAS NÃO-CRÍTICAS - são todas aquelas áreas não ocupadas por pacientes e onde não se realizam procedimentos clínicos. Exemplos: áreas administrativas, áreas de circulação de pessoas, salas de aulas e áreas externas. ÁREAS SEMICRÍTICAS – são as áreas ocupadas por pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas; as áreas ocupadas por pacientes que não exijam cuidados intensivos ou de isolamento. São exemplos salas de internamento de pacientes. ÁREAS CRÍTICAS - são as que oferecem maior risco de transmissão de infecções; são aquelas nas quais se realizam procedimentos invasivos e/ou que possuem pacientes de risco ou com sistema imunológico comprometido. São exemplos salas de cirurgias, prontos-socorros, centrais de esterilização e áreas de descontaminação. 

A lavagem adequada das mãos é ato simples e fundamental para prevenção e controle de infecções no ambiente de trabalho, mesmo quando o funcionário executa seus serviços com proteção de luvas de borracha. Antes de calçar as luvas, para não contaminá-las, devem-se higienizar as mãos. Após o uso de luvas também, pois essas frequentemente têm micro perfurações. 3 2. MÉTODOS A SEREM EMPREGADOS NA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA  Reunir e organizar todo o material necessário no carrinho de limpeza (quando houver);  Colocar o carrinho de limpeza do lado da porta de entrada do ambiente, sempre do lado de fora (quando houver);  Utilizar os EPIs necessários e indicados para a realização do procedimento de limpeza;  Realizar, quando necessárias, a desinfecção/descontaminação de matéria orgânica conforme as normas vigentes;  Recolher sacos de lixo fechando-os com dois nós e depositando-os de maneira adequada;  Iniciar a limpeza pelo mobiliário com solução detergente para remoção da sujidade;  Proceder a limpeza da porta, do visor e da maçaneta com solução detergente;  Proceder a limpeza do piso com solução padronizada;  Realizar a limpeza do banheiro, iniciando pela pia, o vaso sanitário e por último o piso e ralos (não esquecer de limpar o porta papel toalha, o porta papel higiênico, o espelho, a válvula de descarga). Reorganizar o ambiente;  Desprezar as soluções dos baldes no local indicado pela chefia imediata;  Realizar a higienização dos baldes;  Repor os sacos de lixo, conforme Manual de Gerenciamento dos Resíduos;  Retirar e lavar as luvas;  Lavar as mãos;  Repor os produtos de higiene pessoal (sabonete, papel toalha e higiênico). 4 3. PROTOCOLO DAS ETAPAS DOS PROCEDIMENTOS 3.1 Espanação (Material: Panos macios, baldes, água, e equipamentos de proteção individual). Separar todo material que será utilizado e levá-lo para área a ser limpa. Umedecer o pano no balde com água, torcê-lo para retirar o excesso da solução. Cada vez que verificar presença de sujidade lavar o pano mergulhando-o no balde para lavar. Esfregar o local com movimentos longos e retos, segurando o pano frouxamente de maneira que absorva mais facilmente a sujidade. Começar sempre limpando de cima para baixo. Procurar as manchas de sujeira mais fixadas sobre as superfícies e remova-as completamente. Verificar a harmonia do local antes de sair. Lavar e guardar todo material de limpeza. Lavar e pendurar os equipamentos de proteção individual. 3.2 Varrição (Material: balde, esfregão, mops, água, equipamentos de proteção individual, sinalização de segurança). A varrição úmida deve ser feita diariamente e mais intensamente nas áreas de maior tráfego. Separar todo material que será utilizado e levá-lo para área a ser limpa. Remover móveis, utensílios ou equipamentos do local se necessário. Molhar o esfregão na água e remover o excesso de água. Aplicar sobre o piso, uma linha reta começando a limpeza do extremo da área, trabalhando progressivamente em direção a saída, sempre em linhas paralelas. Utilizar o identificador de piso molhado, evitando circulação de pessoas na área a ser limpa. Inspecionar seu trabalho, o piso não deve possuir vestígios de poeira ou resíduos. Utilizar o equipamento de proteção individual, na execução do trabalho. Após o seu uso lavar e pendurar para secar. Escolher o horário de menor tráfego para realizar a operação, evitando acidentes. 3.2 Lavagem (Material: pano de chão lavado e limpo, balde, rodos, maquinas elétricas ou vassoura de piaçava, água, solução detergente e desinfetante, equipamentos de proteção individual, sinalização de segurança). Retirar o mobiliário do local sempre que possível e iniciar o procedimento. Despejar uma quantidade de água e sabão, procedendo a esfregação em sentido lateral com uso de maquina ou vassoura. Esfregar toda a extensão traçando linhas paralelas. Remova a água e o sabão com rodo e sear inicialmente com mop, torcendo o excesso em um balde. Evitar que a solução corra para outras dependências. Proceder ao enxágüe. Secar com rodo e mop limpo e seco Os cantos devem ser limpos com vassouras, pois as maquinas não chegam até os mesmos. Lavar sempre as dependências do fundo para a porta com exceção dos banheiros que devem ser lavados da entrada para o fundo. 5 3.3 Limpeza de tetos (Material: escada, rodo, pano limpo, água, luvas, óculos de segurança) A operação deve ser realizada antes de qualquer outra, respeitando sempre a ordem de cima para baixo e do fundo para a porta. Limpe os cantos removendo as teias de aranha ou outras sujeiras visíveis. Com o material no local subir na escada com um pano umedecido em água. Dobrar o pano em quadrados para obter mais faces de limpeza ou envolve-lo em um rodo. Fazer o uso da aplicação das linhas paralelas de forma que toda a área seja limpa. Trocar a água da limpeza sempre que necessário. Inspecionar seu trabalho, lavar e guardar todo material utilizado no local indicado. 3.4 Limpeza de janelas (Material: baldes, panos macios, esponjas, rodo de mão, escada, equipamento de proteção individual, óculos de segurança) Remover os acessórios da janela (telas protetoras). Escovar ou lavar as telas. Limpar o peitoril da janela, por dentro e por fora com pano úmido. Limpar a janela primeiramente por fora com esponja e agente de limpeza. Ao terminar a limpeza externa inicie a limpeza interna. Comece a limpeza do alto a esquerda do vidro da janela e mover a sua mão para a direita. Quando alcançar o lado direito, volte para a esquerda, ligeiramente abaixo e continuar a limpeza dessa forma. Utilizar pano macio para secagem. Realizar os mesmos movimentos recomendados para lavagem. Inspecionar seu trabalho, limpe e guarde todo material Lavar os equipamentos de proteção individual e guarda-los de forma adequada. 3.5 Lavagem de paredes Verificar o tipo de revestimento das paredes e adotar a técnica correta: 3.5.1 Parede de Pintura Lavável (Material: baldes, panos macios, luvas, escadas, escova macia, solução detergente/desinfetante, equipamento de proteção individual, óculos de segurança). Retirar o pó com rodo envolto com pano úmido de cima para baixo. Utilizar escada para limpeza. Mergulhar outro pano na solução de limpeza, torcendo para retirar o excesso. Passar o pano com auxilio de um rodo em linhas paralelas, sempre de cima para baixo. Caso haja manchas na parede, utilizar escova macia com solução de limpeza no local. Encher um balde com água limpa para enxaguar, mergulhando o pano na água, torcendo-o para retirar o excesso. Realizar o enxágüe, com pano úmido, repetindo a ação. Repetir a operação com um pano limpo quase seco com movimentos retos de cima para baixo em toda a área, a fim de secá-lo. Inspecionar seu trabalho, limpar e guardar todo material. Para facilitar o trabalho, e evitar longos movimentos paralelos, dividir imaginariamente a parede ao meio, limpando primeiro a parte mais alta. 6 3.5.2 Parede Revestimento Cerâmico (Material: baldes, panos macios, luvas, escadas, escova macia, solução detergente/desinfetante, equipamento de proteção individual, óculos de segurança) Colocar a solução de limpeza em um balde (água e sabão). Mergulhar a esponja na solução, esfregando-a em movimentos únicos. Iniciar a operação pela parte mais alta. Enxaguar com pano embebido em água executando movimentos retos de cima para baixo. Após a limpeza aplicar solução desinfetante com auxilio de um pano, realizando movimentos paralelos de cima para baixo. Inspecionar seu trabalho e limpar todo material Guardar os utensílios utilizados. 3.6 Limpeza de portas (Materia: baldes, panos macios, luvas de borracha, solução de limpeza) Realizar essa operação após a limpeza das paredes. Iniciar a operação com o material no local. Com auxilio de um pano umedecido, remover o pó da porta em movimentos paralelos de cima para abaixo. Aplicar a solução de limpeza com outro pano. Remover o sabão com pano umedecido. Inspecionar seu trabalho e guardar o material de trabalho. Evitar aplicar produtos em dobradiças e fechaduras Limpar bem as maçanetas com soluções desinfetantes. 3.7 Limpeza de pias (Material: solução desinfetante e solução detergente, esponja abrasiva, luvas de borracha, jarro, pano macio) Juntar o material e levá-lo a área desejada. Coloque as luvas de borracha. Molhar a esponja na solução de limpeza. Esfregue toda a pia, inclusive colunas e torneiras. Enxágüar a pia e o lavatório com água da própria torneira (utilize um jarro). Utilizar escovas de cerdas para remoção da sujeira aderida. Executar movimentos da extremidade para o centro da cuba. Lavar e guardar o equipamento de proteção individual utilizado. 3.8 Limpeza de Sanitários (Material: baldes, solução detergente e desinfetante, esponja e/ou escova, luvas de borracha, pano e vassoura, equipamento de proteção individual) Calçar luvas de borracha. Levantar a tampa dos vasos e puxar a descarga. Despejar hipoclorito de sódio a 1% dentre e nas bordas do vaso. Esfregar cuidadosamente todo o interior do vaso com vassoura devendo atingir o mais fundo possível. Deixar em contato por 10 minutos, enquanto realiza a limpeza dos lavatórios. Puxar a descarga para enxaguar o interior do vaso. Remover a sujeira aderida, usando vassoura com saponáceo, até atingir a limpeza desejada. 7 Lavar a parte externa do vaso esfregando com um pano ou esponja molhados na solução detergente, tomando especial cuidado com as dobradiças Enxaguar bem o vaso e o assento com jarro Puxar a descarga para o enxágüe final do interior do vaso Aplicar na parte externa do vaso a solução desinfetante. Despejar pequenas quantidades do desinfetante dentro do vaso. 3.9 Limpeza de móveis e utensílios de aço cromados e fórmicas (Material: pano macio e solução de água e sabão neutro em balde; utilizar esponjas macias ou escovas de cerdas macias para remoção da sujidade). Realizar fricção com leve pressão, utilizando sempre sentido único nos movimentos. Remover com pano macio úmido, trocando a fase do pano e trocando a água quantas vezes forem necessárias, até que a água esteja limpa. Realizar a desinfecção com álcool 70% quando for recomendado. 8 4. PRODUTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO A utilização de produtos de limpeza e de desinfecção, quando for o caso, precisa estar de acordo com as determinações da Comissão de controle e infecção da instituição, se houver. A sua seleção também deverá considerar os seguintes critérios: •Natureza da superfície a ser limpa ou desinfetada, e se pode sofrer corrosão ou ataque químico. •Tipo e grau de sujidade e sua forma de eliminação. •Tipo de contaminação e sua forma de eliminação, observando microrganismos envolvidos, com ou sem matéria orgânica presente. • Qualidade da água e sua influência na limpeza e desinfecção. •Método de limpeza e desinfecção, tipo de máquina e acessórios existentes. •Medidas de segurança na manipulação e uso. Caso o germicida entre em contato direto com funcionários, considerar a irritação dérmica e toxidade. Em qualquer diluição de produtos concentrados, os usuários devem seguir as orientações do fabricante para obter o resultado esperado. As diluições devem ser feitas com muito cuidado, evitando respingos de produtos concentrados, tanto no auxiliar de limpeza como no ambiente onde está sendo feita a manipulação. Alguns produtos, principalmente os concentrados, podem causar irritação na pele, olhos, mucosas e até queimaduras nos operadores. Deve-se estar atentos às dosagens recomendadas, uma vez que nas dosagens manuais podem ocorrer erros na diluição, o que inclusive compromete a eficácia do produto. O recipiente onde está sendo diluído o produto deve estar limpo e ser lavado entre a diluição de um produto e outro. As diluições devem ser feitas sempre acrescentado ao produto água e não ao contrário, é obrigatório utilizar sempre um dosador para proceder à diluição. O armazenamento deve ser feito em locais onde a temperatura ambiente não apresente calor ou frio excessivos, distante de crianças e animais e/ou conforme outras orientações do fabricante, além de sempre estarem devidamente identificados. Produtos são conhecidos por seus nomes e não por suas cores. Um cuidado adicional é o de armazenar a solução de uso em recipientes fechados, evitando a contaminação do mesmo. Engano comum no manuseio de produtos químicos para limpeza é achar que misturar produtos aumenta eficácia, o que não é verdade. Essa mistura pode produzir gases tóxicos, níveis de calor perigosos, danos a saúde e ao meio ambiente, sem contar que a mistura pode neutralizar os produtos, invalidando a aplicação. 9 5. PROTOCOLO DE COLETA DE LIXO  Recolher o lixo antes de qualquer tipo de limpeza.  As lixeiras deverão ser esvaziadas ao atingir 2/3 de sua capacidade.  Lavar as lixeiras diariamente e sempre que necessário.  O lixo deve ser recolhido sempre que for necessário.  Acondicionar o resíduo em saco plástico nas cores verde, azul ou outra cor que o estabelecimento recomendar.  Manter os recipientes de lixo em locais afastados do tráfego de pessoas e fechados.  Não colocar sacos de lixo pelos corredores;  O carrinho que transporta o lixo, quando houver, não deve ser deixado nos corredores e nem em outro local de acesso a funcionários e ao público.  No caso de haver derramamento de resíduos no piso ou em outra superfície, o mesmo deverá ser removido. Em seguida, proceder a técnica de limpeza do local, seguida por desinfecção quando necessário

Comentários sobre Rodos

Vídeo sobre Rodos

Twitter
Rodos
https://www.youtube.com/embed/QWld7eo6sF8
Rodos